Contar histórias: a mais antiga das artes!

A linguagem oral é o instrumento mais antigo de comunicação entre as pessoas, portanto, as histórias têm papel respeitável no desenvolvimento das crianças. Mais que uma linguagem prazerosa e educativa, a ação de contar e ouvir histórias possibilita o resgate da memória cultural e afetiva.

 Contar histórias é a mais antiga das artes. Nos velhos tempos, o povo se reunia ao redor do fogo para se esquentar, se alegrar, dialogar e narrar acontecimentos. As pessoas, reunidas, contavam e repetiam histórias, a fim de preservar suas tradições e sua cultura. Assim, transmitiam a história e o conhecimento acumulado pelas gerações: crenças, mitos, costumes e valores a serem resguardados pela comunidade. Devemos lembrar que Cristo, nas pregações, usava a parábola, uma forma narrativa alegórica, uma história, para passar sua mensagem aos homens. Suas palavras iam do concreto ao simbólico e todos as entendiam.

O ato de contar uma história, além de atividade lúdica, amplia a imaginação e ajuda a criança a organizar sua fala, através da coerência e da realidade. O ver, sentir e ouvir são as primeiras disposições na memória das pessoas. Contar histórias é uma experiência de interação. Constitui um relacionamento cordial entre a pessoa que conta e os que ouvem, interação que estabelece aproximação entre os sujeitos envolvidos. Os contos enriquecem nosso espírito, iluminam nosso interior, e, ao mesmo tempo, nos tornam mais protagonistas na resolução dos problemas e mais flexíveis para aceitar diferenças.

 A Professora Jandimare, do CA-UCPD, sabe muito bem realizar essa arte, com emoção, alegria e utilizando todos os tipos de recursos para aguçar a imaginação das nossas crianças, interage com elas e conta diversas histórias, 1 2013-04-23 13.08.10 2013-04-23 13.11.42 2013-04-23 13.16.15 2013-04-23 13.18.37 2013-05-07 13.20.26 2013-05-07 13.20.42marcando momentos de aprendizado, conhecimento e diversão.